sábado, 18 de junho de 2016

666: desvendando o significado do 'número da besta'

Dragões, cavalos com cabeça de leão e cordeiros com sete olhos. Essas são algumas das visões do Apocalipse --uma palavra que vem do grego antigo "revelação" e é descrita no último, mais estranho e mais controverso livro da Bíblia cristã.

666, o número da besta, mas quem será ela?

O "livro da revelação" consiste em uma série de visões que seriam uma profecia do fim dos tempos. Foi usado ao longo da história para explicar desastres que vão da peste ao aquecimento global, passando pelo acidente nuclear de Chernobyl.

Algumas figuras e palavras conhecidas, como por exemplo Armagedon, também vêm do Apocalipse, embora nem todos saibam disso. E o livro tem diversas influências em livros, cinema e música até hoje.

A besta surgirá no fim dos tempos

Mas, quando João escreveu o livro, no século 1, ele não estava apenas querendo explicar acontecimentos futuros.

Alguns acadêmicos acreditam que ele usava códigos e símbolos para alertar os cristãos da época sobre a adoração ao imperador de Roma e lançar um ataque ao poderoso regime.

O "número da besta" --666-- é, talvez, a referência mais famosa do Apocalipse. O trecho que o cita diz: "Quem tiver discernimento, calcule o número da besta, pois é número de homem, e seu número é 666".

Até hoje, 666 é usado para falar sobre a imagem do mal. Mas qual seria o significado por trás dele?

Era comum, na Antiguidade, usar números para disfarçar um nome. Nos alfabetos grego e hebraico, toda letra tem um número correspondente. Então, se você somasse todas as letras do seu nome, você tinha um código numérico.

O professor Ian Boxall, da CUA (Catholic University of America), dá um exemplo com Anna.

"A" vale 1 e "N" vale 50. Anna, então, seria 102.

Se você escrever o nome do imperador Nero Cesar no alfabeto hebraico, a equação fica: 200+60+100+50+6+200+50=666.

666, o número da besta seria a soma dos valores
 das letras do nome de Nero Cesar no alfabeto hebraico

Historiadores acreditam que a perseguição de Nero a cristãos em Roma fez com que ele fosse uma figura odiada pelos primeiros cristãos.

Mas quem seria a besta atualmente?

Já se passaram 2000 anos desde que João escreveu o livro Apocalipse no qual revelou o úmero da besta, que  em sua época seria o imperador romano Nero. Mas  e nos tempos atuais quem seria "a besta" do fim dos tempos?

O Papa Francisco, para os evangélicos, é a besta

Pelo menos para os evangélicos, protestantes, a  besta atualmente seria o Papa Francisco, isso por seu carisma que conquistou a admiração até mesmo daqueles que não  são católicos, o que indicaria que ele é a besta escondida sobre a imagem de um homem de grande admiração com poder para conquistar a todos se tornando um novo Deus.

Fonte:(Texto adaptado da  BBC)

18 comentários:

  1. quem disse que o Papa Francisco é a besta para nós evangélicos?????

    ResponderExcluir
  2. Fazer dedução de fatos é fácil , eles fazem uma matéria sobre a besta é não sabe responder quem é a besta nos dias atuais , joga para os cristãos dizendo que prá nós é o papa

    ResponderExcluir
  3. ISSO É UM ABSURDO ,,,A MINHA IDENTIDADE TÉM O 666 ENTÃO EU SOU A BESTA ,,,,,,,RSRSRSRSR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não deixa de ser. com todo o respeito.kkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. mas eu já soube que o número da besta não é 666
      http://investigador-cristao.blogspot.com.br/2011/01/o-verdadeiro-numero-da-besta-666-ou-616.html

      Excluir
    3. O verdadeiro número da besta: 666 ou 616?
      “É um fragmento muito bom de se encontrar. Os estudiosos têm estudado há muito tempo sobre isso, e agora parece que 616 era o número original da Besta”[i].
      A declaração da Dra. Ellen Aitken (2005), professora de história do cristianismo primitivo na Universidade McGill, no Canadá (e também ministra da diocese de Montreal), refere-se à nova transcrição de um fragmento de Apocalipse 13.18 (“Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta, pois é o número de um homem. O seu número é seiscentos e sessenta e seis”) citando, em vez do tradicional 666, o número 616, como a sua transcrição definitiva.
      Esse fragmento foi encontrado próxima à antiga Oxyrrinchus, uma das comunidades cristãs do Egito, com documentos datados do século III, anteriores em um século às mais antigas versões completa do Novo Testamento em grego. Contudo, estava ilegível e sem pigmentação. Apenas recentemente, o papiro foi submetido a técnicas avançadas na Oxford University, permitindo a sua leitura.
      Não é simples compreender qual o significado do número que identifica a besta no Apocalipse de João. Segundo a Dra. Aitken
      “quando falamos sobre os primeiros textos bíblicos, estamos sempre falando de cópias feitas sobre cópias, no máximo 150 a 200 anos depois que [o original] foi escrito. Eles podem ter erros de cópias, alterações por motivos políticos ou teológicos”
      Na realidade, o papiro não é uma descoberta.

      O fragmento foi encontrado ainda em 1895, tem a nomenclatura P115 e faz parte do
      acervo do Ashmolean Museum, em Oxford, Inglaterra. Os especialistas datam a sua idade não antes do ano 256, constituindo o fragmento mais antigo do texto de Apocalipse.
      Segundo Dr. Daniel B. Wallace, diretor do Centro para o Estudo dos Manuscritos do Novo Testamento, o texto é bastante legível, mesmo sem uma imagem sofisticada.
      “Na verdade, o veredito ainda não está decidido. Estou inclinado a considerar que texto original aqui era 616, mas ainda é preciso muito trabalho para determinar isso. Embora este seja o fragmento mais antiga dessa parte do Apocalipse, o afinidade textual do fragmento e a confiabilidade geral ainda precisam ser examinados na íntrega.”[ii]
      A dúvida sobre o número da besta já era conhecida no século II, quando o comentarista Irineu escreveu um capítulo sobre o assunto e atestou que nos melhores manuscritos que tinha encontrado aparecia o 666 e não o 616. ““Para ter certeza, sua perspectiva é moldada sobre a teologia – ele deu a interpretação do 666 buscando a perfeição [representada pelo número 7], mas nunca conseguiu alcançá-lo.
      O comentário de Irineu acaba atestando que os dois números existiam naquele período, em versões diferentes do Apocalipse de João. O 616 é encontrado no Codex Ephraemi (século V) na versão latina de Tyconius (donatista do final do século IV) e também em uma versão armênia antiga. Mas Irineu teve contato com outros manuscritos, e preferiu o 666, decisão que foi adotada também por Jerônimo para a Vulgata. É possível que a maior aceitação do 666 tenha vindo por analogia com o 888, número grego de Jesus.

      O número em Apocalipse 13 não se refere necessariamente ao diabo. A besta pode ser uma representação simbólica de uma pessoa, que o autor não quis se referir diretamente. A maioria dos intérpretes bíblicos que utilizam a gematria para interpretar a passagem associa o número 666 ao imperador Nero – embora qualquer datação da autoria do Apocalipse o coloque como posterior ao reinado de Domiciano, que teria perseguido o apóstolo João.
      Outros especialistas identificaram o número da besta em Maomé, seguidamente retratado como o Anticristo durante a Idade Média.
      Por sua vez, o número 616 recai em Calígula.
      [i] originalmente no National Post (Canadá), por Christ Wattie, em 4/5/2005.

      [ii] http://www.religionnewsblog.com/11139/daniel-b-wallace-responds-to-article-on-the-number-of-the-beast

      Postado há 20th January 2011 por O investigador
      Marcadores: Bíblia escatologia

      Excluir
  4. A besta do apocalipse não é uma pessoa e sim um poder, aliás dois poderes um religioso e outro político.

    ResponderExcluir
  5. para controlar nossas vidas, nos sera obrigado a implantar um chip na testa ou no braço, sem este chip não poderemos nada nem mesmo comprar alimentos, este sera a marca da besta 666, e quem implantar este chip estará renegando a DEUS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aff que absurdo isso! Eu jamais vou admitir isso no meu corpo.

      Excluir