terça-feira, 7 de junho de 2016

A arte macabra de fotografar mortos

Fotografar parentes e amigos depois de mortos pode parecer algo mórbido nos dias de hoje, mas fotografar e ser fotografado com os mortos era uma tradição — muito sinistra, diga-se de passagem! — da Era Vitoriana(1837-1901). O costume surgiu com o advento da fotografia, uma novidade que permitiu que as pessoas da época encontrassem uma forma de imortalizar e ter uma recordação de seus entes queridos, era uma maneira de homenageá-los e de tentar arrefecer a dor da perda.

A captação fotográfica de exposição longa fazia com que os mortos parecessem mais nítidos que os vivos
 exatamente por causa da ausência de movimento;

Em fotos que são ao mesmo tempo duras e perturbadoras, famílias posam com seus mortos, crianças parecem estar apenas adormecidas e jovens aparecem reclinadas. A morte lhes tomava a vida, mas também aumentava sua beleza --em meados do século 19, a palidez e a magreza causadas pela tuberculose eram vistas como atrativos em mulheres.

Qual delas estará morta? Eu arrisco a dizer que a que está em pé, e você o que acha?

A vida vitoriana estava cercada pela morte. Epidemias de difteria, tifo e cólera assolavam a Inglaterra, e o luto permanente assumido pela rainha Vitória em 1861 após a morte do marido, o príncipe Albert, fizeram das comiserações algo em voga.

A jovem em pé está morta

Os retratos eram um luxo pelo qual a maioria da população não podia pagar com frequência, portanto, alguns deles se tornaram os únicos registros de reuniões familiares ou até a única fotografia existente da pessoa recém-falecida. Devido ao alto índice de mortalidade infantil da época, muitos desses retratos trazem crianças e bebês, mas não faltam imagens de adultos e idosos.

Na Era Vitoriana, era comum que famílias tivessem muitos filhos e que muitos morressem antes dos cinco anos; nesta foto, a criança à esquerda está morta e foi colocada de pé para o registro

No início, a fotografia post mortem retratava as pessoas deitadas — muitas vezes em seus caixões —, mas logo os fotógrafos foram se tornando mais criativos e passaram a clicar os defuntos em poses que simulavam situações cotidianas. Para isso, eram utilizadas estruturas de suporte e artimanhas mirabolantes para manter os corpos em determinadas posições ou com os olhos abertos, por exemplo, como você pode ver na imagem logo abaixo.


Dois fatores, porém, logo iriam condenar a prática à extinção.

Primeiro, a qualidade dos serviços de saúde britânicos melhorou e aumentou a expectativa de vida da população, em especial a infantil. E o surgimento da fotografia instantânea permitiu que pessoas tirassem fotos uma das outras em vida, o que basicamente derrubou a demanda pelos "retratos da morte".

Hoje, eles são apenas um lembrete de nossa mortalidade.

Fonte: MegaCurioso e Uol Notícias

26 comentários:


  1. Fotografia, além da fotografia morte, essa matéria é incrível e valorosa para nós fotógrafos moderno,mostra que sempre formos criativos em nosso oficio, parabéns aos pesquisador por essa importante matéria, uma verdadeira obra de arte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você mau sabe escrever.Será que é um bom fotografo? Digo isso porque uma coisa não esta para a outra.

      Excluir
    2. te toca cara vai cuidar da tua vida deixa o cara ser feliz, se vc nao e nao atrapalha se cala leso....

      Excluir
    3. Sr João Gilberto. Roto falando do rasgado. Não é "mau sabe escrever". O certo é "mal sabe escrever". Se liga!

      Excluir
    4. Um belo trabalho, uma informação valiosa. Infelizmente o Sr. João Gilberto perdeu uma ótima oportunidade de permanecer calado.

      Excluir
  2. Pra quem gosta de aula de história
    é uma boa aula para enriquecer nosso conhecimento !!!

    ResponderExcluir
  3. OPORTUNIDADE DE TRABALHO --
    Interessados numa oportunidade de trabalho com possibilidade de ganhos consideravelmente bons (acima de R$ 4.300,00), favor enviar email para GJRECRUTAMENTO@GMAIL.COM
    -- OBS: Não responda essa mensagem. Caso desperte interesse, envie email conforme orientação, grato!

    ResponderExcluir
  4. Poxa muito bacana a história, apesar de meio estranha de entender. Vim pelo link que estava no UOL. FIQUEI com medo de se vírus mas tá tranquilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tb tive medo mas a curiosidade humana não tem tamanho...

      Excluir
  5. nos dias de Hoje da cadeia... ou é louco quem faz, sendo que na verdade é uma obra de arte quem consegue fazer isso.
    Parabéns pela Matéria

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. mas perae se ele tava morto como q pode tá em pé e de olho aberto??? heinnn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em pé: leia o texto que você entenderá.
      Olho aberto: depois e morto o corpo para de funcionar. Se vc abrir o olho da pessoa, não volta. Acredito que haja produtos para auxiliar nisso também.

      Excluir
    2. Ralph, a pele do olho era cortada. Fico imaginando que tudo isso aconteceu nos idos de 1800. Só tenho uma palavra a escrever: fantástico!!! Sem nenhuma intenção mórbida, que fique bem claro!!!!

      Excluir
  8. e que monte de letra é esse nesse negoço ae???
    heinnnn

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente este desenho foi tirado de um manual cujas letras devem ser índices para que se possa ler detalhado mais a frente.

      Excluir
  9. Não deixa de ser uma Arte admirável!

    ResponderExcluir
  10. Interessante a materia e bem explicada o porque era feito as fotos

    ResponderExcluir
  11. Muito bom.
    Nunca entendi porque fotografavam os mortos.

    ResponderExcluir